Esse é um texto que eu havia escrito no blog antigo não faz muito tempo. Espero que gostem.

O sim continua ali, firme e forte.
O não… Então… já nem tanto.
Ninguém mais diz que não pode comparecer numa festa, num evento, num happy hour, numa inauguração de sex-shop pra cegos…
Ninguém mais marca encontro tendo a certeza de que vai conseguir mesmo jantar à luz de velas com a futura nora da própria mãe. Ou passa uma cantada sem tomar uma cortada seca.
Ninguém mais honra os compromissos como antigamente se fazia:

“Bora?”
“Bora!” ou
“Não vai dar.”

Hoje todo mundo fica com os pés atrás, não sei como tanta gente ainda não deu de cara no chão. A resposta pronta é sempre um “então…” assim, com reticências. Nunca se sabe o que vem depois, mas já dá pra perceber que a pessoa, se for fazer o que foi proposto, vai meio a contragosto, meio forçada. O mesmo diálogo acima, num futuro próximo, quando o bom e velho “não” cair em desuso, vai ser assim:

“Bora lá?”
“Não.”
“Hein?”
“Então…”
“Ah…”