Recentemente saí numa reportagem da IstoÉ que fala sobre os prazeres essenciais para o ser humano (esses aí do título):

Pesquisas comprovam que esses são os prazeres essenciais para o ser humano. Saiba como incrementá-los no dia a dia e ampliar a sensação de bem-estar em outras áreas da vida.

A reportagem de capa da edição 2116 (28 de maio), por Débora Rubin e Verônica Mambrini, é bem leve, descontraída e fala de coisas simples que podemos fazer para melhorar a qualidade de vida em geral. Sexo, Natureza, Comida, Exercícios físicos, Arte, Trabalho e Amizades são relacionados ao prazer fisiológico. Fui entrevistado para a seção de amizades e transcrevo o que falei a seguir:

Felipe Simões, tradutor de 29 anos, sempre soube, desde os tempos de colégio, que os amigos formavam sua segunda família. “Passar pelas partes pesadas da vida sem eles seria mais difícil”, atesta. Mesmo durante os quatro anos em que viveu em Brasília, Simões manteve intenso contato com sua turma de colégio, em São Paulo. Toda oportunidade de reencontro é vista como uma grande farra – até mesmo para fazer a foto desta reportagem. “Todo mundo tem dificuldade de achar tempo na agenda para as reuniões, mas eu sei, por experiência própria, que é possível cultivar as amizades, mesmo nos momentos mais corridos”, conta.

Meus amigos sempre foram, sim, minha segunda família. Uns permanecem, outros ficam pelo caminho, alguns participam de nossas vidas por um curto período, mas sempre me trazem felicidade. Se você está lendo isso, a probabilidade de ser algum amigo meu é bem alta. Considere-se incluído nessa segunda família.

Vale a pena dar uma lida na reportagem, nem que seja pra ver a foto em que eu saí no final.